sábado, 7 de março de 2009

Cadê a Igreja Evangelica?

Um aborto feito pelos médicos, em Recife, tem chamado atenção da sociedade em geral. Afinal, trata-se de um caso extremamente assustador: Uma menina de 9 anos grávida de gêmeos, do qual foi fruto de estupros realizado por seu padrasto. Minha intenção não é comentar sobre a barbaridade deste caso, pois por mais que eu fale, nunca vou conseguir descrever tamanha crueldade.

Quero direcionar meu post no sentido de focar da reação da igreja, neste caso a católica. Tirando as divergências (que são muitas) doutrinárias que a citada igreja apresenta em relação à Biblia, tenho que tirar o chapéu para essa atitude firme que ela apresentou diante de fato tão controverso. O que a igreja católica está fazendo é justamente o que se espera de uma igreja que defende a palavra de Deus.

Enfim, não há que se falar em nada da atitude dessa instituição pois a Palavra de Deus é bastante clara nesse assunto. Mas o que me deixa chateado e envergonhado, e ausência de manifestação da igreja evangélica.

Para falar disso eu preciso antes fazer uma distinção: das igrejas evangélicas com pouca representatividade (geralmente, igrejas pequenas com pouca voz na sociedade), das igrejas evangélicas com muita representatividade (geralmente são as neopentecostais, as que têm representação política, e que possuem mega templos).

No tocante à 1ª espécie de igreja, eu de certa forma não condeno já que como foi dito anteriormente esta não possui representatividade suficiente de aparecer e nem quer isso pois entende, corretamente, que o papel da igreja é não é de ser grande, mas sim de ser santa.

Já em relação à 2ª espécie de igreja, muito me assusta esse silêncio todo. Afinal, elas deveriam se utilizar das prerrogativas de possuir influências no meio político-social e aparecer na mídia pra defender a palavra de Deus. É engraçado que essas igrejas, pelo menos em sua maioria, possui programas na tv e não vi nenhuma manifestação sobre o assunto. Eu me pergunto: Será que esse silêncio todo tem a ver com a impopularidade que a mensagem teria? Afinal, se essas igrejas querem ser cada vez maiores elas jamais poderiam colocar a popularidade dela à prova. É mais fácil deixar que a igreja católica seja a mensageira dessa mensagem que vai contra todos os princípios sociais.

O que me deixa indignado é que a igreja católica está sendo contestado por toda sociedade (desde o presidente da república até o mendingo), enquanto as igrejas que se dizem santas estão preocupadas tão somente com popularidade e consequentemente com suas igrejas lotadas. Valorizam tanto isso que são capazes de suprimir a defesa da Palavra. Realmente é muito triste.

Muitos poderão falar que os envolvidos eram católicos e por isso a igreja evangélica não teria nada que se envolver nesse assunto. Aos que pensam dessa forma eu só peço que revejam seus conceitos, ja que nesse caso DUAS VIDAS foram abruptamente ceifadas, ultrajando escancaradamente as normas divinas. Este fato por si só ja ensejaria uma reação daqueles que se dizem defensores da Palavra. Mas, infelizmente, a procupação com status está superando o temor a Deus.

Com muita tristeza, eu peço desculpas aos irmãos católicos por deixarmos vocês sozinho nessa luta.

4 comentários:

Tatiana disse...

No momento devemos levar em consideração que o nosso DEUS é um DEUS de amor e justiça, e Ele sabe de todas as coisas, e que não é responsabilidade da igreja legislar, ou seja, criar leis, ou impor punições aos pecados cometidos por seus membros e a Bíblia ,mostra formas de trazer essas pessoas ao arrependimento, e com toda a certeza que tenho em CRISTO a excomunhão, ou a proibição de participar dos "sacramentos" religiosos não é segundo a pratica do arrependimento, do perdão e do amor a forma mais sabia de se agir.
O aborto é um assassinato, mais Moises era um assassino e foi usado como um líder por DEUS. Então não devemos lidar com o pecado dos outros como se essas pessoas tivessem de ser apagadas de nossa convivência sem a chance de se arrepender e voltar a uma vida em comunhão com sua congregação.

AMIGO DE DEUS disse...

Obrigado irmã pelo excelente texto que muito edifica.
Todavia, acho que você não pegou a mensagem central do texto. Pois em nenhum momento eu entrei no mérito da excomunhão, se isso tava certo ou não. o que eu quis falar era sobre a atitude da igreja em condenar a prática do aborto, e a ausência de manifestação pública da igreja evangélica. foi só isso. Talvez a irmã não conheça uma igreja neopentecostal por exemplo. Se conhece vai entender a minha indignação.

Com relação ao que você disse, eu concordo com quase tudo. Exceto com a parte da excomunhão. A excomunhão faz parte sim das práticas Cristãs, tanto é que é bíblico isso. Não me lembro a passagem que paulo fala desse assunto, mas posso ver pra você depois onde se encontra.

Mas, obrigado pelo comentário que concerteza enriqueceu muito esse humilde espaço.

Tatiana disse...

Irmão, em parte concordo com a critica a falta de envolvimento das igrejas neopentencostais a esse caso, e as conheço, não em seu meio mais intimo pois não congrego em uma. Quanto ao fato da excomunhão ser biblico eu nunca falei o contrario, e conheço o texto em que Paulo recomenda que o irmão que esteja em pecado seja tirado da comunhão com os irmãos, sendo que essa decisão deve ser tomada depois de se tentar trazer ao arrependimento o pecador em questão, alem da decisão deve ser tomada segundo o que Paulo recomendou pela membresia da igreja e não uma decisão de seu grupo de lideres.
Voltando, ao assunto principal a Igreja deve sempre se possicionar contra as agreções as pessoas, tanto assassinatos(ou aborto), tanto em relações a violencias fisicas, morais ou psicologicas que venha sofrer ou praticar tanto seus membros quanto outros.

Obrigada,
Que DEUS esteja sempre te guiando pélos caminhos DELE!

Tatiana disse...

oi, irmão,
gostaria que você lesse este texto publicado pela editora ultimato que não não possui ligação com denominações, http://www.ultimato.com.br/?pg=show_conteudo&util=1&categoria=3&registro=981
alem disso essa editora não possui qualquer compromisso com ordens religiosas e sim com a Biblia.
espero que goste.
até!